RECICLAGE DIGITAL

Esse projeto-piloto começou a partir de uma palestra que realizei para funcionários da UNIMED-RS. Ao final da atividade, um dos gestores me questionou se haveria alguma forma de reaproveitar computadores.

Eu, um entusiasta de tecnologia, entrei em contato com um grande amigo e profissional da área de Informática, Rodrigo Jacobus, repassando a ele esse questionamento e durante uma tarde inteira conversamos a respeito. Era como se ele tivesse todo o projeto pronto na sua cabeça

A ideia era construir um projeto a partir da experiência com a doação desses equipamentos, cerca de 15 monitores e mais de 30 computadores.

Nossa intenção na época era de testar todos os componentes e montar novas máquinas para destinar a pessoas de baixa renda e organizações sociais a preços populares, menos de 100 dólares (cerca de 150 reais, na época).

Com a entrada do amigo Tiago Strehlau na equipe ganhamos também a sala do seu apartamento como sede para esse projeto embrionário.

Assim, durante mais de 1 ano, nas suas horas vagas de trabalho junto a Caixa Econômica Federal, Rodrigo construía comigo e o Tiago todos os passos necessários para a reciclagem das máquinas, quais foram:

  • catalogação de todos os equipamentos com as suas características.
  • teste de funcionamento dos componentes.
  • montagem dos componentes da máquinas.
  • instalação e configuração do sistema operacional das máquinas.

No período do projeto, dez computadores reciclados, plenamente funcionais, foram direcionados a organizações sociais.

Do ponto de vista de negócios, demonstrou-se uma atividade frágil quanto a viabilidade econômica, pois exige muitas horas de trabalho, o que, na maioria das oportunidades, motiva um profissional a querer trocas as peças e não a reaproveitar.

Nas circunstâncias observadas, e mediante as características do mercado em questão, seria viável apenas com algum tipo de subsídio público e/ou privado, sob pena de se tornar insustentável economicamente.

Por outro lado, a atividade de recuperação de computadores é uma atividade poderosa de formação educacional e profissional que, com um investimento em recursos humanos e infra-estrutura, poderia ser uma grande alternativa para treinamento e formação técnica na área de reparação de computadores.

Além de ser uma alternativa adequada em termos do crescente problema do lixo eletrônico.