RECICLANDO VIDAS

Com a parceria das artesãs Maíra e Renata Fontoura, a direção do presídio e apoio do setor técnico, na pessoa da psicóloga Luciane Engel, foi instalada uma oficina de trabalho artesanal dentro do Instituto Penal de Viamão, cadeia albergue do regime semiaberto gaúcho localizada na cidade de Viamão e que hoje encontra-se desativada.

Entre abril de 2010 e julho de 2011, mais de 100 detentos participaram efetivamente da oficina.

O objetivo do projeto era buscar a reinserção social dos apenados do sistema penitenciário gaúcho, aliando conscientização ambiental ao ofício de artesão.

Nesse período, novos produtos foram desenvolvidos além das sacolas recicladas: carteiras com caixas tetrapak, bijuterias de revista, bolsas com embalagens metalizadas e também projetos customizados, com a transformação de resíduos de clientes em brindes ecológicos.

Esse período foi marcado por uma ampla repercussão do projeto na mídia e o atendimento a muitos novos clientes.

Em setembro, a RECICLAGE participou da Mostra de Produtos Reciclados, durante a Feira do Empreendedor, organizada pelo SEBRAE-RS, com um público superior a 20 mil pessoas. Concedemos entrevistas para RBS, Rede TV+, Imprensa Sebrae e Rádio Gaúcha. 

Além da visibilidade ao trabalho, um dos destaques foi a participação nos vários dias do evento de um dos detentos do Instituto Penal de Viamão, que auxiliou na venda e no atendimento ao público, o que mostrou-se um resultado qualitativo do projeto na ressocialização de apenados.

Mesmo com projeto protocolado na SUSEPE, diversas reuniões realizadas na superintendência e apelos na mídia, o projeto Reciclando Vidas foi descontinuado por falta de apoio. 

programa Gaúcha Repórter, Rádio Gaúcha de 31/12/2010

VENSER

Entretanto, a experiência adquirida no Instituto Penal de Viamão acabou dando credenciais para atuação junto a outros públicos, como terapia ocupacional para públicos vulneráveis.

Um destaque foi o projeto Venser, concebido pelo Instituto Unimed/RS, onde durante 6 meses ministramo oficinas semanais com os pacientes em tratamento contra a dependência química no Hospital Parque Belém, em Porto Alegre.

Entre dezembro de 2010 a junho de 2011, foram ministradas aulas de artesanato sustentável, buscando desenvolver uma atividade complementar ao tratamento terapêutico desse hospital.

Mais de 80 pacientes participaram do projeto, com resultados considerados surpreendentes, tanto no resgate da autoestima, como na ocupação saudável da mente e no desenvolvimento de criatividade.